07.02.2012

Nunca fui grande adepta de provérbios, até porque muitos deles são mais que contraditórios. Mas a verdade, é que acabamos por cair nas suas teias e rendemo-nos à sua "verdade". Hoje, foi a vez de "Longe da vista, longe do coração.", o porquê é mais que óbvio.

Conheci-o, não há muito tempo. Sabia, que provavelmente não passaria disso, de uma noite bem passada, mas a verdade que essa noite prolongou-se, e fui-o conhecendo um pouco melhor. E se no ínicio o achei único, apenas esta sensação tornou-se mais definitiva. E a verdade, é que nunca deixei de ser uma sonhadora e, por isso, ele fez-me começar a sonhar. Sabia que esses sonhos muito provavelmente não passariam disso, de sonhos.

Depois, foi-se embora. Eu sabia que isso ia acontecer, ele tinha sido o próprio a avisar, "a minha vida é mais lá do que cá", dizia. E com o passar do tempo, uma pessoa começa a reconfortar-se, talvez porque sabia que isso aconteceria. Já quase não pensava muito nele (e por curioso que seja, das vezes que pensava, imaginava-me a te apresenta-lo, acho que gostarias dele, também). Até hoje, ele voltou hoje, continua de passagem, mas foi ver-me. E aí, regressou tudo, e agora, já está tudo aqui dentro outra vez, e está tanto aqui dentro, que todas as lágrimas tem de sair. E ainda agora escorrem. Porquê? Nem sei, mas sei que é ele que me deixa assim.

publicado por aquela às 03:13 | link do post | comentar